+34 91 005 42 79 brasil@esneca.lat
  • Español
  • 0 Item

    Gostaria de se dedicar à robótica e começar a construir todos os tipos de robôs? A primeira coisa a saber para ser um especialista no assunto são as partes dum robô. A partir disso, poderá programar e configurar a função que deseja que cumpra numa determinada fábrica ou indústria. Por isso, no nosso blog de hoje contamos tudo o que os diferentes robôs têm que ter para poderem executar as diversas tarefas. Continue a ler para saber mais ou consulte o nosso Mestrado em Robótica e Automação para especializar-se no sector.

    O que é a robótica?

    A robótica é o ramo da engenharia mecânica, eletrónica e ciência da computação que projeta, constrói e opera robôs. Os robôs são mecanismos que auxiliam e simplificam o processo de fabricação ou produção na indústria.

    No entanto, os robôs foram adaptados para simplificar as tarefas não apenas nas fábricas. Hoje, alguns deles são pilares fundamentais da medicina em cirurgia assistida, nas residências são aspiradores e cozinheiros, e no transporte há carros sem motoristas.

    Graças à robótica, várias atividades podem ser realizadas para coletar informação, processá-la e tomar decisões, como, por exemplo, um braço robótico.

    Principais partes dum robô

    Embora vários tipos de peças dos tipos de robôs sejam usados ​​em outras máquinas, o nível de especialização dos robôs exigiu que peças específicas fossem adicionadas. Estes estão geralmente relacionados à semelhança com uma parte do corpo humano. Então, para entender melhor as suas aplicações, é preciso conhecer as partes que compõem um robô industrial. A seguir, os enumeramos.

    Controlador: cérebro do robô

    Esta é a parte que controla todas as funções, movimentos, cálculos e processamento de dados, por um minicomputador. Este microcomputador possui uma unidade central de processamento, memória, dispositivos de energia e interfaces que permitem que ele fique em contacto com comandos externos.

    Os controladores podem alterar a sua função dependendo dos parâmetros que controlam. Embora fundamentalmente possam ser posicionais, cinemáticas, dinâmicas ou adaptativas.

    Esqueleto de robô

    O esqueleto pretende, assim como o corpo humano, sustentar o restante das partes dum robô. Isso deve ser adaptado conforme a função do robô, como ser grande, forte, pequeno ou rápido.

    Outro aspeto importante do esqueleto ou estrutura é o material do qual será feito. Pode ser duro, pesado, flexível ou tudo em simultâneo, dependendo da finalidade do robô. Há robôs cujo esqueleto é o mesmo componente de chapa, madeira, ferro ou plástico.

    Partes dum robô: atuadores

    Pode-se dizer que os atuadores são o coração dos robôs industriais, pois são responsáveis ​​por dar força aos movimentos da máquina. São os elementos eletrónicos que possuem a capacidade de realizar uma ação física no ambiente do robô.

    Existem dois grandes grupos de atuadores:

    • Os motores. Estes são um elemento essencial para os robôs, pois permitem que eles se movam de um lugar para outro, movam os braços robóticos ou operem garras.
    • Outros atuadores são telas de LCD, displays, alto-falantes e sincronizador de voz.

    Sensores

    Para que um robô seja completo, ele deve responder de acordo com o seu ambiente e ser completamente autónomo. Os sensores são os que vão dar-lhe essa habilidade conforme o objetivo do robô e devem ser posicionados estrategicamente conforme a sua função.

    Os sensores mais conhecidos são luz, som, gravidade, temperatura, humidade, pressão, velocidade, magnetismo e localização. Há também sensores de proximidade, sensores de distância, câmaras de vídeo e muito mais.

    Manipulador

    A parte mecânica mais importante do robô é o manipulador. Este componente é a própria parte estrutural, composta por elementos sólidos ou ligações unidas por juntas que permitem a sua movimentação. Essas subpartes, também analogicamente, são chamadas corpo, braço, punho e atuador final.

    Sistema de controle

    O sistema de controle é uma das partes do robô composto por um software e hardware que direciona e controla as funções de movimento do robô para realizar as tarefas atribuídas.

    Assim, os robôs podem ser pré-programados ou autónomos:

    • Robôs pré-programados executam tarefas repetitivas repetidamente.
    • Robôs autónomos conseguem ler e responder a mudanças no ambiente através de sensores.

    Resumindo, para um robô fazer o que quer é muito importante coordenar o esqueleto, sensores e atuadores para esse objetivo. Especialmente, o cérebro do robô deve ser programado para cumprir a função principal. Todas as peças têm um propósito e são um complemento que não pode faltar nesta máquina.

    ¡Celebra la Black Week con nosotros! Te regalamos 60$ para tu matrícula. CUPÓN: BLACK60

    X