+34 91 005 42 79 brasil@esneca.lat
    • Español
    • 0 Items

      A música é uma componente tão elementar das nossas vidas que pode ser utilizada não só para o nosso entretenimento. A música alivia-nos do stress, transporta-nos para outros mundos e até nos ajuda a controlar as nossas emoções. Tudo isto é bem conhecido da grande maioria das pessoas. No entanto, provavelmente não sabe que a música pode ser utilizada para tratar uma adição. Quer saber como os profissionais a aplicam? Continuar a ler, contar-lhe-emos tudo a seguir.

      O que é uma adição?

      Para poder compreender o papel da música na gestão do vício, é importante que saiba primeiro o que é. É importante estar ciente que este termo não se refere a um estado de espírito que se possa controlar. É um problema mais grave e crónico que pode ser equiparado a uma doença.

      De facto, há um grande número de adições que só podem ser tratados com medicação e terapia. Nestes casos, o nível de dependência que o paciente já desenvolveu é elevado. Do mesmo modo, há situações em que o paciente não desenvolve tal apego ou obsessão e a terapia é suficiente para o ajudar a sair do vício em questão.

      Mas o que é então uma adição? Pode ser definida como uma doença crónica e perniciosa que consiste na prática de hábitos nocivos. A manifestação destes comportamentos pode ter diferentes níveis de consolidação na vida do doente. Além disso, destaca o facto de o viciado não conseguir controlar estes comportamentos.

      Por vezes, toda a vida do doente ou viciado gira em torno dos seus vícios. Pode tornar-se tão forte que os afasta do seu círculo social e muda o seu estilo de vida. Em condições extremas, a saúde do viciado é comprometida e ele ou ela perde a sua vida por isso.

      Quais são as principais adições?

      Partindo do facto de que todas as adições excessivas têm uma base biológica, podemos dizer-lhe que normalmente se manifestam de formas diferentes. Apesar disto, deve saber que cada um apresenta um processo semelhante. Dito isto, considere que os vícios podem ser:

      1. Dependências comportamentais. Estes são comportamentos repetitivos e insalubres que provocam um prazer intrínseco no viciado. Não dependem do consumo de qualquer substância, mas da exposição a situações que geram bem-estar temporário no paciente. Entre os mais comuns encontram-se o jogo patológico, a hipersexualidade, o workaholismo e a codependência.
      2. De ingestão química. Isto refere-se à utilização de substâncias que desencadeiam processos biológicos no organismo. Estes normalmente dão ao doente algum tipo de prazer ou conforto. Exemplos destes incluem o alcoolismo, a toxicodependência e o tabagismo.
      3. Dependências relacionadas com distúrbios alimentares. Estes vícios manifestam-se por uma atração excessiva por comer ou não comer. São perturbações relacionadas com a falta de disciplina ou de regularidade no consumo de alimentos, ou bebidas. Considerar a anorexia, bulimia e sobreaquecimento como exemplos deste tipo.

      Como se pode ver, os vícios são altamente perigosos e precisam de ser erradicados das nossas vidas. Felizmente, existe agora uma variedade de medicamentos e terapias que demonstraram ser eficazes na sua eliminação.

      Como influência a música na adição?

      De modo a compreender de forma mais geral como a música influência os vícios, precisamos de aprofundar um pouco mais os conceitos sobre o corpo humano. O aparelho hormonal humano funciona como um sistema de recompensa. Quando algo positivo acontece dentro da acumulação de emoções que uma pessoa experimenta, o cérebro segrega algumas substâncias específicas.

      Estas substâncias são chamadas dopamina e endorfinas. A ação destas substâncias gera uma sensação de prazer ou euforia. Isto depende de quanto e com que frequência o cérebro os segrega. Deste ponto de vista biológico, os vícios nada mais são do que a dependência que todo o organismo desenvolve da presença de endorfinas e dopamina.

      Ouvir música causa um efeito como substâncias e eventos viciantes. Isto porque, quando se percebe música, o cérebro também é estimulado e pode segregar as mesmas substâncias. Com isto em mente, é compreensível que alguns terapeutas usem música para combater o vício. A terapia é bastante interessante sendo explicada abaixo.

      Como funciona a musicoterapia para tratar uma adição?

      A utilização da música como remédio para o vício baseia-se na ideia de que sons harmoniosos provocam reações agradáveis no ouvido humano. Estas sensações agradáveis colocam o cérebro num estado que lhe permite secretar dopamina e algumas endorfinas.

      Um doente viciado, quando removido da sua fonte de dependência, sofre geralmente muito. Isto porque o seu corpo já desenvolveu um elevado nível de dependência das endorfinas e dopaminas associadas ao seu vício.

      A música, sendo uma fonte não invasiva, pode ser utilizada como substituto das substâncias ou atos que causam esta obsessão excessiva. Durante estas sessões terapêuticas, o paciente é submetido a exercícios musicais que o ajudam a restaurar o seu distúrbio emocional.

      Isto faz com que o seu cérebro entre num estado de endorfina e secreção de dopamina num ambiente controlado. Isto ajuda o paciente a não se ressentir tanto com a ausência do seu objeto de obsessão. A exposição contínua a esta prática em conjunto com terapia psicológica e medicação apropriada conduz eventualmente a uma reabilitação completa.

      Onde aprender musicoterapia?

      Se o seu interesse reside na educação online, temos a solução para si. Aqui na ESNECA BUSINESS SCHOOL temos o Mestrado em Musicoterapia online para poder aceder a partir de onde quer que se encontre.

      O nosso pacote de formação permite-lhe aprender sobre a introdução à música, os fundamentos da música, a fisiologia e a anatomia da audição. Da mesma forma, este mestrado facilita a assimilação de conhecimentos sobre a figura do músico terapeuta, modelos de musicoterapia, terapia musical em crianças, geriatria e gerontologia. Também ensina sobre tratamentos com música aplicada a distúrbios e doenças, terapia de dança e outras disciplinas musicais.

      Além disso, no final de cada unidade didática encontrará exercícios de autoavaliação que lhe permitirão seguir o curso de forma independente.

      Venha estudar este mestrado e aproveite ao máximo os seus conhecimentos para ajudar as pessoas com adições! Estamos ansiosos por o ver!